sexta-feira, 20 de abril de 2012

O FUTURO DO PROFISSIONAL DE E-BUSINESS É HOJE


Dia desses, concedi uma entrevista para a Catho que me fez pensar bastante sobre o tema. A entrevista abordava a geração de emprego e o que o futuro poderá proporcionar para a área de e-commerce.


Antes de prosseguir com este artigo, gostaria de defender a utilização do termo “e-business” para falar das negociações realizadas por meios eletrônicos no sentido mais amplo da palavra e abrangendo um universo maior.

No meu entendimento, o e-commerce anda em conjunto com o e-business, mas é uma parte dele.

Agora, que já esta alinhado com meu pensamento vamos decorrer sobre o tema!

“COMO SERÁ O AMANHÃ? RESPONDA QUEM PUDER...”

Para chegarmos a alguma resposta para esta pergunta, nada melhor que analisarmos o “e-cossistema” que habitamos.

Já é de conhecimento de todos o movimento que o Brasil vem passando em relação à ascensão das classes sociais. São classes mais pobres que subiram para o patamar de “média”.

A “nova classe C” brasileira já corresponde a aproximadamente 54% da população e é responsável por movimentar cerca de R$ 1,03 trilhão por ano. 45% da classe C tem acesso à internet e 50% faz este acesso via banda larga.

Outro fator relevante para o aumento do acesso a internet foi a queda no preço dos computadores, aumento na venda de smartphones com acesso a web e maior consumo da banda larga.

Alguns outros fatores que também contribuem é o aumento do poder aquisitivo da população, o crescimento do emprego formal e do acesso ao crédito.

Segundo o IBOPE Nielsen Online, o total de brasileiros com acesso em qualquer ambiente (domicílios, trabalho, escolas, lan houeses ou outros locais) foi de 78,5 milhões de pessoas no terceiro trimestre de 2011.  O tempo de uso do computador foi de aproximadamente 64 horas em janeiro de 2012. Um crescimento exponencial comparado aos outros períodos.

E para finalizar a ilustração deste cenário, que para mim se torna um dos principais, soma-se o fator da população jovem, que já nasceu com a internet na veia, estar adquirindo poder de compra e se utilizará, cada vez mais, da web.

São diversos os produtos disponíveis para o consumo online. Eles vão desde os mais comuns como DVDs e livros, passando por passagens, cursos online (e-learning) e porque não um dia a venda de um imóvel 100% pela web?

Todos estes fatores são enxergados como positivos, não só para os consumidores de produtos via web, mas também para aqueles que pretendem utilizar dos negócios virtuais e fazer dele seu projeto de vida abrindo uma loja virtual.

Será que temos mão de obra suficiente de profissionais para fazer a gestão desta demanda?
Tomo a liberdade para afirmar que, hoje, a resposta é não!

É nítido que as oportunidades de emprego crescem a uma velocidade muito maior quando comparado a capacitação de profissionais para ocupar estas vagas.

Gosto sempre de frisar que quem pretende entrar para esta área se capacite e esteja preparado, pois o futuro é hoje.

Lembro-me que quando comecei a trabalhar com e-business, lá se vão 13 anos, não pude contar com literatura específica e cursos. Era completamente diferente do que temos hoje. Muito do que eu fazia era feito na base do empirismo.

O crescimento é fato! O que precisamos lutar é para acelerar as políticas públicas e regulatórias que regem o nosso mercado, sempre focado no objetivo que ele cresça fortalecido e de forma sustentável.
Toda vez que sou convidado ou tenho qualquer oportunidade para falar de e-business, faço questão de dar minha contribuição, pois cabe a nós, profissionais já atuantes, o dever de contribuir com nossas opiniões e experiências para este crescimento.

Acredite neste segmento e me ajudarão a responder:

“COMO SERÁ O AMANHÃ?”.

Conto com você!

Abraços,

Gustavo Zobaran
@GustavoZobaran

Nenhum comentário:

Postar um comentário